Oier Lazkano troca as voltas aos sprinters e ganha em Viseu

O basco Oier Lazkano (Caja Rural-Seguros RGA) ganhou hoje, isolado, a terceira etapa da Volta a Portugal Edição Especial Jogos Santa Casa, uma ligação de 171,9 quilómetros, entre Felgueiras e Viseu, teoricamente ao jeito dos velocistas. Amaro Antunes (W52-FC Porto) mantém a Camisola Amarela Jogos Santa Casa.

Foi uma etapa espectacular, parecendo uma clássica, com permanentes ataques, sempre com resposta do pelotão até estarem cumpridos dois terços da viagem. Inicialmente, as movimentações visaram as classificações da regularidade e da montanha. Tiveram sucesso a Kelly-Simoldes-UDO, que deixou Luís Gomes com a Camisola Vermelha Cofidis, e a Rádio Popular-Boavista, que reforçou a posição como da Camisola Branca e Vermelha Fidelidade, símbolo de melhor trepador.

Passadas as subidas, com um pelotão já fragmentado pelas ofensivas e movimentações, Oier Lazkano, já envolvido noutras escaramuças nesta jornada, atacou para mais de 40 quilómetros em solitário.

A organização nunca foi muita no pelotão, onde se sucediam as tentativas de fuga, impedindo uma perseguição metódica e elevando a vantagem do corredor da Caja Rural para mais de 3 minutos. Quando as equipas dos sprinters “acordaram” já era tarde e Oier Lazkano pôde celebrar a primeira vitória como profissional, ao cabo de 4h13m15s de etapa. O britânico Daniel McLay (Team Arkéa Samsic) encabeçou o pelotão, a 15 segundos, diante do venezuelano Leangel Linarez (Miranda-Mortágua).

“Foi uma etapa muito dura desde o início, com fugas sempre a serem alcançadas. Estava num grupo em que não havia entendimento e fui sozinho. Era até onde chegasse. E cheguei até à meta”, descreve, com simplicidade, Oier Lazkano, jovem que ainda não completou 21 anos.

Na luta pela classificação geral, apesar de alguns fogachos, acabou por ser uma jornada de transição entre duas etapas decisivas. Amaro Antunes mantém-se no topo da geral, com 13 segundos de vantagem sobre o principal adversário, Frederico Figueiredo (Atum General-Tavira-Maria Nova Hotel). O terceiro é Gustavo César Veloso (W52-FC Porto), a 1m13s.

“Conseguimos controlar a etapa na perfeição, chegando aqui com margem para ficarmos tranquilos. Estamos focados num só objetivo, que é a disputa da Volta a Portugal. A próxima etapa é decisiva e poderemos fazer a diferença, comigo ou com outro colega de equipa”, antecipa Amaro Antunes.

Nas restantes classificações, o britânico Simon Carr (Nippo Delko Provence) segue com a Camisola Branca IPDJ, de melhor jovem, apesar de um percalço num momento delicado, um furo a 5 quilómetros do fim. A W52-FC Porto encima a tabela coletiva.

Segue-se, nesta quarta-feira, a etapa em linha mais curta da Volta, 148 quilómetros entre a Guarda e o alto da Torre (Covilhã). A meta coincide com um prémio de montanha de categoria especial, esperando-se temperaturas na ordem dos cinco graus à hora de chegada dos primeiros. Vai ser um desafio para campeões, que pode deixar a classificação ainda mais definida.