Volta a Portugal – antevisão equipa a equipa

W52-FC Porto – 67.ª Ranking Mundial
É a equipa sobre a qual recai maior dose de favoritismo, tendo em conta o histórico de resultados. Incorpora no plantel quatro corredores que já venceram a Volta: João Rodrigues, Gustavo César Veloso, Ricardo Mestre e Rui Vinhas. O algarvio Amaro Antunes é outro candidato à Camisola Amarela Jogos Santa Casa. Samuel Caldeira e Daniel Mestre, além de terem a missão de trabalho para o coletivo, dão garantias de estar na discussão de chegadas ao sprint.

 

Burgos-BH – 58.ª Ranking Mundial
A equipa espanhola de nível ProTeam tem nos portugueses José Neves e Ricardo Vilela dois sérios candidatos ao top 10 na geral final. O coletivo espanhol surge ainda com uma retaguarda de trepadores, capaz de ajudar a dupla nacional a bater-se pelos lugares cimeiros.

 

Caja Rural-Seguros RGA – 40.ª Ranking Mundial
Cristián Rodríguez é o homem com melhores condições para discutir a geral, mas a meta da equipa é, essencialmente, outra. Passa por entrar nas fugas certas para vencer etapas. Héctor Sáez regressa, após o triunfo em Bragança, na edição de 2019, e sabe bem qual o modus operandi para erguer os braços na corrida portuguesa.

 

Nippo Delko Provence – 22.ª Ranking Mundial
A equipa francesa, comandada por José Azevedo, chega com ambição a Portugal. O italiano Mauro Finetto tem qualidade para intrometer-se na discussão da corrida, acolitado pelo galego Délio Fernández. Nas chegadas rápidas, Riccardo Minali é um dos homens a ter em conta.

 

Rally Cycling – 80.ª Ranking Mundial
O coletivo proveniente dos Estados Unidos da América é muito consistente e promete ser um dos ossos mais duros de roer para o pelotão português. A Rally Cycling surge com vários homens muito experientes e habituados a vitórias e lugares de honra em provas para ciclistas completos, como o Tour de Utah, o Colorado Classic ou o Tour de Gila. É com curiosidade que se aguarda para ver o desempenho de corredores como Robert Britton, Gavin Mannion, Kyle Murphy ou Keegan Swirbull.

 

Team Arkéa-Samsinc – 12.ª Ranking Mundial
É a equipa do pelotão voltista com melhor colocação no ranking mundial. Traz a Portugal um homem que será a referência para as chegadas ao sprint, o britânico Daniel McLay, que, ainda por cima, vem acompanhado de uma equipa de lançadores. Thibault Guernalec seria candidato ao top 10 e a discutir os dois contrarrelógios, mas fraturou o fémur num treino de preparação para a Volta, no último sábado.

 

Atum General-Tavira-Maria Nova Hotel – 104.ª Ranking Mundial
A vitória de Frederico Figueiredo no Troféu Joaquim Agostinho, no fim de semana passado, foi uma forte injeção de confiança para o corredor e para a equipa. O chefe-de-fila dos sportinguistas é um dos ciclistas mais regulares do pelotão nacional, podendo intrometer-se na luta pelo pódio. Alejandro Marque, antigo vencedor da Volta, será um braço-direito que dá confiança. César Martingil mostrou em Torres Vedras estar em boa forma e vai tentar “picar o ponto” nas chegadas ao sprint.

 

Aviludo-Louletano – 72.ª Ranking Mundial
O espanhol Vicente García de Mateos é o incontestado número um da equipa. Tentará fazer esquecer a participação inglória de 2019, que acabou em desistência, procurando aproximar o rendimento do que lhe valeu a terceira posição em 2018. João Matias é o homem para os sprints e o campeão russo de fundo, Sergei Shilov, aponta ao prólogo e ao contrarrelógio final.

 

Efapel – 98.ª Ranking Mundial
Joni Brandão é o eterno adversário dos portistas na luta pela camisola amarela. Em 2020 surge à cabeça de uma equipa reforçada com quatro todo-o-torreno de provas dadas, António Carvalho, César Fonte, Luís Mendonça e Tiago Machado. A batalha pela geral deverá nortear os esforços do coletivo “elétrico”, mas Rafael Silva não deixará de espreitar a oportunidade numa etapa que se decida entre homens rápidos.

 

Feirense – 149.ª Ranking Mundial
Rafael Reis venceu o prólogo das duas últimas edições da Volta em que participou, 2018 e 2016. Triunfar em Fafe é, certamente, um objetivo para o palmelense e para a equipa. Como nome central deste coletivo, Rafael Reis terá também a oportunidade de experimentar algo diferente: tentar perceber o que vale na batalha pela geral. Do restante coletivo espera-se a presença de Óscar Pelegrí nas chegadas em grupo compacto e a combatividade do conjunto, certamente a dar nas vistas em fugas.

 

Kelly-Simoldes-UDO – 64.ª Ranking Mundial
A equipa que dominou hegemonicamente os nacionais de sub-23, vai tentar dar cartas entre o objetivo do ano de toda a elite nacional. Henrique Casimiro é cliente habitual do top 10 na Volta, mas o bom momento patenteado por Luís Gomes no Troféu Joaquim Agostinho faz prever que o “rei da montanha” da Volta de 2019 pode, desta feita, sonhar mais alto. A luta pela camisola da juventude vai ser outra das prioridades dos comandados de Manuel Correia.

 

LA Alumínios-LA Sport – 145.ª Ranking Mundial
Emanuel Duarte foi a grande sensação da Volta a Portugal do ano passado, cotando-se como o melhor jovem da corrida. Em 2020 já não tem idade para vestir a Camisola Branca IPDJ, mas tentará colocar-se entre os dez melhores da competição. Não será surpresa ver os homens de Hernâni Brôco buscando a Camisola Branca e Vermelha Fidelidade, de melhor trepador, do mesmo modo que não surpreenderá se Miguel Salgueiro der largas à irreverência e à combatividade que todos lhe reconhecem.

 

Miranda-Mortágua – 174.ª Ranking Mundial
Joaquim Silva regressa a Mortágua, onde finalizou a formação sub-23, para assumir a responsabilidade de comandar uma equipa na Volta a Portugal. O espanhol Ángel Sánchez transferiu-se para a equipa para poder estrear-se nesta corrida e é garantia de espírito batalhador. Daniel Freitas e Leangel Linarez são as “armas” para os sprints.

 

Rádio Popular-Boavista – 126.ª Ranking Mundial
João Benta soma três top 10 consecutivos na corrida e surge como candidato natural a uma posição entre os primeiros, num coletivo que tem de entrar muito forte, pois vive da capacidade de estar com os melhores na montanha, que, desta vez, está concentrada na primeira metade da prova.